Voltar à lista dos artigos

Kirchberg, Um platano em moviemto

A 19/07/2017
1 / 3

2300 futuras habitações

Kirchberg, um dos vinte e quatro bairros da cidade do Luxemburgo, é reconhecido como sendo o núcleo da praça bancária e financeira internacional do país. Actualmente assistimos a um novo impulso de crescimento no bairro de Kirchberg, abrindo-se este a novas actividades que o tornam num bairro residencial e cultural privilegiado.

No seio da cidade do Luxemburgo, Kirchberg é um bairro que se distingue claramente do tecido urbano da capital pelo seu desenvolvimento dinâmico. Porta de entrada na Cidade do Luxemburgo, desde a década de 1960, o bairro transformou-se no centro da actividade bancária e financeira internacional, acolhendo os edifícios das «Instituições Europeias» instaladas no Luxemburgo: o Tribunal de Justiça da União Europeia, o Tribunal de Contas Europeu, o Secretariado-Geral do Parlamento Europeu, o Banco Europeu de Investimento (BEI), a Escola Europeia, o Eurostat, etc.
A reconversão da antiga auto-estrada em alameda central urbana estabelece a ligação entre este planalto situado na zona nordeste da capital e o centro histórico, a partir da década de 1980, permitindo ao bairro abrir-se a novos horizontes nomeadamente no mundo dos negócios. Actualmente, assume-se como um pólo cultural, institucional e empresarial, e residencial.

Uma contínua actividade social e administrativa

Kirchberg é um bairro institucional e empresarial marcado pela presença das instituições europeias, dos bancos, e das várias instituições financeiras e de seguros que aí têm a sua sede. Esta forte concentração permite a oferta de inúmeros postos de trabalho. Trabalham diariamente no planalto de Kirchberg cerca de 38.000 pessoas. Segundo o Fonds Kirchberg, o número de trabalhadores elevar-se-á a 50.000 pessoas a médio prazo, prevendo-se que ascenda a 60.000 a longo prazo. Refira-se que estão actualmente ao serviço das instituições europeias cerca de 12.000 pessoas, número este que deverá atingir as 16.500 pessoas a médio e longo prazo.
O planalto de Kirchberg deverá ainda albergar um parque de estacionamento com acesso à rede de transportes ao nível da rotunda Serra, bem como a terceira extensão das instalações do BEI, a terceira torre do Tribunal de Justiça da União Europeia, a extensão do edifício do Parlamento Europeu e a futura sede mundial da ArcelorMittal.

No que se refere aos estabelecimentos de ensino, e para além da escola de ensino básico de Kirchberg, estão igualmente implantados nesta zona um dos campus da universidade de Luxemburgo e a Escola Europeia. Foi recentemente inaugurada uma creche municipal na rue Joseph Leydenbach.

Um bairro cultural e recreativo

Este bairro cultural identifica-se pela Filarmónica e pelo Museu de Arte Moderna Grão-Duque Jean — designado por «Mudam» — um projecto da autoria do arquitecto Ieoh Ming Pei. Mas brilha igualmente graças aos seus espaços de lazer. Recintos multidesportivos e uma piscina olímpica (conjuntamente referidos sob o nome La Coque – Centro nacional e cultural) fazem deste complexo desportivo o maior e o mais importante do país. O Utopolis é um complexo composto por dez salas de cinema e foi o primeiro na Europa a equipar todos os seus ecrãs de acordo com as normas relativas à projecção digital. O centro comercial do grupo Auchan, situado no coração do bairro, é um dos maiores do país. E não esquecendo o Museu 3 Glands e o mercado semanal que desde o ano passado se realiza, no bairro de Kirchberg, todas as terças-feiras da parte da tarde.
O novo edifício da Biblioteca nacional, operacional a partir de 2018 na sede do concelho, Bricherhaff, tornar-se- á um espaço de investigação e de leitura imperdível.

Uma forte densidade habitacional

Kirchberg é também um modelo de referência no que toca ao urbanismo e à arquitectura. Segundo dados do último censo demográfico da cidade do Luxemburgo, Kirchberg tem 5.499 habitantes. Kirchberg dispõe actualmente de 1.400 habitações repartidas pelo quarteirão conhecido como «Vieux Kiem» da década de 1970, pelo Avalon, construído nos anos 1990, e pelo Grünewald, cuja obra decorreu nos últimos 10 anos e está hoje concluída. Futuramente, Kirchberg contará com cerca de mais 6.500 habitações, repartidas da seguinte forma: a extensão do Kiem com aprox. 800 habitações, os Projectos Específicos de Ordenamento (PAP) Réimerwee Este e Oeste com aprox. 500 habitações e J. F. Kennedy Sul com aprox. 1.000 habitações.
A isto acrescenta-se o projecto Porta da Europa, que se situa no Bairro Europeu, com 200 habitações e os locais em estudo no âmbito do novo plano-director para a reformulação do Plano Geral de Ordenamento (PAG) territorial da Cidade de Luxemburgo: Kuebebierg-Langfuur, Eurocontrol, a extensão do Quarteirão Grünewald e o Uni.lu.

O projecto misto “Porta da Europa”

Este bloco urbano misto inclui um complexo comercial e estabelecimentos do sector “Horeca” (hotelaria, restaurantes e cafés) com cerca de 3.500 a 6.500 m2 brutos, escritórios e de serviços com cerca de 6.800 m2 brutos (zona «A»), e habitações com cerca de 20.000 m2 brutos, dos quais 2.000 m2 brutos estão reservados ao arrendamento pela SNHBM (zona «B»). Situa-se na extremidade norte da avenida J. F. Kennedy, no cruzamento desta com a rue du Fort Niedergrünewald, em frente à Torre B da Porta da Europa. Está prevista uma praça pública entre a rue du Fort Niedergrünewald e a avenue J. F. Kennedy ao nível da paragem do eléctrico «Philharmonie-Mudam». Encontra-se também em fase de construção uma ligação subterrânea com o parque de estacionamento Place de l’Europe (InCA, gabinete de engenharia).

O PAP Kiem

Com uma superfície de cerca de 10 hectares, pertence em parte ao Fonds Kirchberg e em parte à Sociedade Nacional de Habitações Sociais (SNHBM). Faz a ligação, a este, com o bairro residencial conhecido por “Vieux Kiem”. A sul da avenida bd K. Adenauer, fica junto aos edifícios de habitação “Avalon”, que constituem o núcleo do Bairro residencial Reimerwée, construído na década de 1990. A Noroeste, faz fronteira com o Kuebebierg, que é uma reserva fundiária inexplorada até à data. As infra-estruturas do PAP Domínio do Kiem estão actualmente em fase de construção, nomeadamente a reabilitação da avenida bd Pierre Frieden, com o intuito de preparar o local para receber novos edifícios de habitação.

O PAP Réimerwee

As parcelas de terreno do PAP Réimerwee Este (de uma superfície de 40 ares) e do PAP Réimerwee Oeste (de uma superfície de 355 hectares) pertencem ao Fonds Kirchberg. As parcelas dos PAP Este e Oeste circundam o complexo habitacional «Avalon» construído nos anos 1990. O Réimerwee está ligado a norte pela avenida bd Pierre Frieden ao bairro residencial do Kiem e do outro lado com o «Kuebebierg». Adjacente à avenida bd Konrad Adenauer a norte e a este, e à rue Richard Coudenhove-Kalergi a oeste. A sul, dá acesso ao Parque Réimerwee.

Futuros serviços locais

Contudo, e embora recentes, as áreas residenciais carecem de serviços locais, visto que só existem
na zona comercial e bancária ou nos bairros vizinhos. «A diversidade, isto é, a mistura entre estabelecimentos comerciais, superfícies de escritórios e habitações, veio substituir o conceito dos bairros destinados a uma única função», refere o porta-voz da Câmara Municipal do Luxemburgo. De igual modo, «faltam espaços de lazer e de convívio nas zonas residenciais, ou os que existem são em número insuficiente. Mas cada um dos bairros dispõe de terrenos com potencial para permitir a construção de tais centros».
Em termos de mobilidade, o bairro situa-se a dois passos do aeroporto internacional de Luxemburgo-Findel. Diversas linhas de autocarro asseguram a ligação à zona centro da cidade do Luxemburgo e às localidades mais próximas. Está actualmente em fase de construção uma linha de eléctrico que fará a ligação entre a estação terminal e Kirchberg. Ao lado da ponte vermelha, está também a ser construído o terminal de ligação comboio/eléctrico «Pfaffenthal-Kirchberg». Graças ao futuro funicular, os utentes não irão precisar de passar pela estação central para chegar a Kirchberg.
De uma maneira geral, este planalto, que havia sido preparado para os automóveis nos anos 60, adapta-se progressivamente aos transportes públicos e à mobilidade não motorizada: as estações de aluguer de bicicletas «Vel’oh» foram instaladas neste contexto, tendo sido definidas algumas zonas com limites de velocidade de 30 km/h no bairro de Kirchberg-Grünewald a fim de controlar a circulação nas áreas residenciais e aumentar a segurança para todos os utentes da estrada, estando ainda prevista para Dezembro deste ano a abertura de uma ciclovia contínua do lado norte na avenue Kennedy, em simultâneo com a entrada em funcionamento do eléctrico. — uma etapa importante a ser concluída com vista à implementação do modal split 25/75.

Emilie De Vicenzo 
Photos : 
AZPML et Beckmann - NThepe 

Voltar à lista dos artigos